CERIMÔNIA

CERIMÔNIA
2017-09-03 Livia Basile

A rotina de um centro urbano. Todos dias são iguais. Café. Bom dia. Trabalha. Almoça. Café. Avenida. Casa. E assim, pergunta-se: onde estaria o percurso rumo ao novo? Prédios seculares, hábitos milenares.

O olhar puro é resguardado para a novidade e o usual se contamina pelo corpo confinado. Existem outras formas de transitar? Poderá o corpo sair da caixa coletiva e inconformar-se com suas cerimonias? Ou ainda: deveria o corpo transformar tudo em cerimonia para poder se libertar? Um corpo flexivel, que permeia a caixa, o outro e suas regras mas encontra seu espaço em pequenos rituais.

Ritos do individuo rumo à eterna inocência.

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*